Home / Saúde / Vigorexia: culto excessivo pelo corpo – Viciados em academia

Vigorexia: culto excessivo pelo corpo – Viciados em academia

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...

A anorexia esteve recentemente na capa das principais revistas, era pauta nos jornais, virou assunto nas rodas de bar. A morte da modelo brasileira Ana Carolina Reston Macan, no último dia 14 de novembro, também teve atenção da mídia internacional e reacendeu o debate sobre o transtorno alimentar em todo o mundo. As agências estudaram exigir atestado médico para modelos iniciantes, mas deixaram de tocar no ponto principal do assunto: não seria o padrão de beleza imposto à sociedade a causa do transtorno?

Essa mesma dúvida surge para a análise de um outro distúrbio pouco tratado – até porque pouco reconhecido – do nosso tempo, a vigorexia. Da mesma ‘família’ da anorexia, o transtorno afeta sobretudo os homens viciados em academia e que cultuam o corpo. Mesmo quando já estão fortes, eles ainda se vêem magros, aumentam a carga de exercícios e algumas vezes passam a usar esteróides anabolizantes para aumentar a massa muscular.


A vigorexia, também é conhecida como Síndrome de Adônis ou overtraining, ainda não é catalogada como uma doença. O grande risco, na verdade, além das lesões musculares que pode causar, é a associação a outros distúrbios. “Esses pacientes, de tão isolados que ficam, acabam tendo outros problemas psíquicos, como a depressão”, explica o professor Niraldo de Oliveira Santos, da divisão de Psicologia do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Ele ainda faz outro alerta sobre o problema, dizendo que muitas pessoas recorrem a cirurgias plásticas, sem a menor necessidade, para complementarem a busca pelo corpo “ideal”. “Elas querem fazer uma cirurgia de nariz, um implante de cabelo… teoricamente, o cirurgião deveria perceber (que se trata de vigorexia), mas vai depender do profissional e da competência dele”, afirma.

Como é um problema diretamente ligado à auto-estima da pessoa, o reconhecimento do transtorno nem sempre é fácil. O psicólogo relata o caso de quando o HC ofereceu um programa de tratamento gratuito para a vigorexia. Ele conta que a divulgação foi ampla, em mais de 20 meios de comunicação – incluindo a abrangente TV Globo. “Se inscreveram 6 casos; desses, 4 foram ligações de familiares inscrevendo filhos, que não compareceram”, lamenta. E dos dois que foram, um não estava tão preocupado com o problema. Ele queria, na verdade, saber como poderia continuar usando os anabolizantes que tomava e manter o resultado deles, mesmo indo para a balada de final de semana e consumindo ecstasy nessas situações.

Prevenção


Os profissionais diretamente ligados ao treinamento físico nas academias – os professores de Educação Física ou personal trainers – deveriam perceber a situação de exagero na prática e conversar com o aluno. Segundo Marcelo Costa, membro do Conselho Federal de Educação Física e vice-presidente do Conselho Regional do Rio de Janeiro, “em qualquer área nós temos maus profissionais. E na educação física não é diferente”. Ele justifica, no entanto, que são poucos os professores que indicam o uso de anabolizantes e que eles são apenas maus exemplos. Para ele, reconhecer os casos de overtraining é muito complicado. “Nem um psicólogo vai saber identificar isso, a não ser no momento em que o cara atingir uma massa muscular expressiva”.

Quem tem vigorexia normalmente não compartilha o problema nem com amigos. O isolamento em que se coloca é tão grande que é muito difícil falar do assunto – como prova o número de participantes no programa gratuito do HC. É preciso que, além do professor, a própria família esteja atenta aos hábitos da pessoa suspeita de vigorexia. Em caso de constatação ou dúvida, um profissional da psicologia deve ser procurado.

Solução

É difícil apontar uma solução para esse problema, assim como o da anorexia. Culpar apenas o modelo cultural de “corpo perfeito” que a sociedade possui não é suficiente, segundo o professor Niraldo. “Não dá para esperar que a sociedade ou os meios de propagação mudem essa ‘ditadura’. O que dá pra mudar são outros valores, como por exemplo atividades que incluem rituais coletivos, família, escola, igreja… eles enfraqueceram muito na atualidade”.

O professor Marcelo, do Conselho Regional do Rio, concorda. “A ausência de perspectiva faz com que o jovem só consiga se destacar na estética, na beleza. Emprego está cada vez mais difícil, família dividida, e no grupo de amigos a aceitação passa pela questão da beleza, da força física”. Ele vê com pouco otimismo a mudança dessa realidade. “Não vai parar de uma hora pra outra se não intervirmos num processo com a família”, conclui.

 

Fonte: TERRAMAGAZINE.TERRA.com.br

About Equipe Treinos Academia

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Scroll To Top