Home / Variados / Treinos longos podem não ser tão intensos assim

Treinos longos podem não ser tão intensos assim

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...

Todos ouvimos falar que quanto maior o estresse muscular, maior tende a ser seu desgaste (óbvio) ocasionando maior recuperação no período pós-treino, não é mesmo? Mas até que ponto podemos entender isso como verdade absoluta e até mesmo ao pé da letra?


É óbvio que o desgaste muscular correto, no período de recuperação, tenderá a ser recuperado, através da alimentação, e gerará ganhos maiores. Todavia, esse estresse deve ser na medida correta, pois, caso contrário, certamente teremos o efeito totalmente inverso do esperado.

Passar 90 ou 120 minutos dentro de uma academia dando o máximo de si, não quer dizer que seus ganhos sejam necessariamente maiores ou melhores do que quem passa 40 minutos dentro da mesma academia com um treino muito menos volumoso. Aliás, é muito mais provável que o indivíduo que passe 40 ou 50 minutos lá dentro tenha ganhos mais expressivos do que quando comparado ao “Frank Columbo II”.

desgaste muscular é importante para ocasionar não tão somente microlesões musculares (refazendo as fibras no descanso), mas também para induzir a uma hipertrofia sarcoplasmática, isto é, causando o aumento de retenção de líquidos no citoplasma, aumento na capacidade de DNA e, óbvio, no tamanho da organelas celulares. E, contraposto a tudo isso, ainda devemos levar em consideração as adaptações neuromotoras, morfológicas e, claro, a capacidade de retenção no músculo de algumas substâncias como glicogênio, nitrogênio, água, sais minerais etc. Todavia, para que isso aconteça simultaneamente, a sobrecarga tensional é mais do que importante e necessária: É fundamental. E para isso, não é necessário um treino longo, mas um treino pesado. E este é o caso de comparar um indivíduo que treina 120 minutos com 40% de sua capacidade de 1RM em todos osexercícios, provavelmente fazendo repetições muito altas e o indivíduo que estimula o sistema neuromotor (e força suas adaptações) em um treino de 30 ou 40 minutos com 80-85% de sua 1RM. (Claro, isso é uma média pífia). E é óbvio que um indivíduo que treina com essas proporções de carga tenderá a não agüentar treinar por muito mais tempo do que isso.


O indivíduo que treina muito, principalmente com a desculpinha ridícula de sentir a dor muscular no dia seguinte, está mais acumulando ácido lático (pelo metabolismo anaeróbio) do que qualquer outra coisa. Lembre-se que a prioridade do corpo não é construir músculos e sim fazer a manutenção energética dos outros tecidos, deixando o músculo por último plano. Logo, não custará nada ele simplesmente começar a desviar proteínas para a via glicolítica.

Como se não fosse suficiente, após cercas de 60 minutos de treinos, principalmente caso não seja feita uma refeição pré-treino adequada (e as alimentações posteriores também), hormônios comocortisona e glucagon tentem a predominar no corpo, fazendo com que o músculo tenha o mesmo efeito miscroscópico de jogarmos um torrão de açúcar dentro de um corpo de água. Pasme, mas é verdade!

Conclusão:

Treinos intensos requerem mais do que simplesmente uma longa duração de tempo, mas sim, intensidade no que se diz respeito a mescla entre cargas e número X de repetições de acordo com aperiodização necessária e precisa.

Fonte: DICASDEMUSCULACAO.com

About Equipe Treinos Academia

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Scroll To Top
FICAR EM FORMA
QUER SABER COMO? (Comprovado)
Parabéns
Confira o Material no Seu e-mail - Aproveite!
Fechar
FICAR EM FORMA
QUER SABER COMO? (Comprovado)
Parabéns
Confira o Material no Seu e-mail - Aproveite!
Fechar